.
.

Saber Envelhecer


Em Portugal, a população com mais de 85 anos quadruplicou nas últimas quatro décadas.
A esperança de média de vida dos portugueses passou de 35 anos, no início do século XX, para os atuais 85 para as mulheres e 79 para os homens. Contudo, os estudos mostram que viver mais não é viver melhor, já que quanto mais velhos são os indivíduos mais isolados se encontram.
É nas grandes cidades, onde mais se sente o envelhecimento, que o risco de isolamento é maior. Neste capítulo, Portugal segue a tendência mundial de envelhecimento.
A ONU prevê que, a manterem-se as atuais taxas de fertilidade, a população mundial deverá estabilizar por volta de 2100. Na maioria dos países, Portugal incluído, o aumento da esperança de vida resultou não apenas da melhoria das condições económicas e sanitárias, mas também do desenvolvimento da indústria do medicamento.
O aumento exponencial do número de doentes crónicos, bem como da percentagem de população idosa, faz disparar as despesas com a saúde. Isto, em conjunto com taxas de natalidade progressivamente mais baixas, põe em causa a viabilidade do financiamento dos atuais sistemas de saúde.
Em termos sociais ser velho não é coisa boa, tanto assim que todas as pessoas empurram a idade da velhice em função do seu próprio envelhecimento, em suma, “velhos são os outros”. Do ponto de vista simbólico, em Portugal, a velhice é vista como doença, solidão, abandono, desvalorização… Poucos ou nenhuns atributos positivos lhe são associados pela maioria dos próprios idosos” – refere Manuel Villaverde Cabral, diretor do Instituto do Envelhecimento da Universidade de Lisboa.
No entanto, nem tudo é negativo. Com o aumento da longevidade, muitas pessoas de idade prestam agora mais apoio aos filhos e, sobretudo, aos netos, o que, em princípio, é bom para ambos.
A diminuição do número de pessoas em idade produtiva e a necessidade de financiar um sistema que sustente um cada vez maior número de idoso poderá levar, a médio prazo, a um adiamento da idade da reforma.
Na opinião de Jorge Mineiro, diretor clínico do Hospital CUF-Descobertas, “saber envelhecer com saúde é, hoje, um grande chavão, mas penso que é uma arte muito difícil de conseguir. Podemos viver mais, mas muitas vezes vivemos com mais problemas.”
As tecnologias da informação têm um papel determinante numa sociedade envelhecida, ajudando a combater o isolamento e a estabelecer pontes entre gerações.
Em suma, vamos viver mais tempo mas depende de nós viver da melhor forma. A tecnologia e a investigação estão do nosso lado mas ainda são os genes que mandam.


(adaptação do artigo “Saber Envelhecer” de Susana Torrão, publicado na revista Montepio 03/2011)  

.
As imagens que ilustram os textos publicados neste blogue são seleccionadas, aleatoriamente, através do motor de busca Google. Agradecemos aos respectivos autores o enriquecimento visual que os seus trabalhos proporcionam e, se não divulgamos a sua origem é porque, na maioria dos casos, a mesma é, para nós, desconhecida. Para salvaguarda dos direitos de autor, estamos à inteira disposição dos eventuais lesados, para revelar a identidade do criador das fotos e/ou desenhos publicados. Observador@
.