.
.

Comportamento - Ouvidos Tristes

Uma investigação em medicina pediátrica, realizada nos EUA, estabeleceu uma relação entre a depressão e a música.
Ao longo de dois meses, os 106 adolescentes da amostra - 46 dos quais tinham perturbações depressivas - foram convidados a passar o tempo com jogos, música, filmes, net ou livros e revistas. Os jovens que preferiram escutar música manifestaram oito vezes mais probabilidades de ficar abatidos, enquanto os que optaram pela leitura apresentaram dez vezes menos hipóteses de desenvolver esse estado.
O que ficou por perceber foi se os adolescentes propensos à depressão se refugiam na música ou se esta, ouvida por longos períodos, contribui para a doença.

.(texto publicado na revista Visão de 07.04.2011)
.

A actualidade de um texto dos anos 50

Qualquer rapaz que atinja um curso superior e olhe para trás de si, desde a sua infância escolar na instrução primária até ao canudo que lhe deu um título qualquer, pensará: "Finalmente, que ficou de tantos milhares de páginas decoradas? A formação deu-me personalidade? Não! A consciência deu-me uma profissão? Não! A sabedoria de um adulto? Não!" Ficará espantado, mas prosseguirá: "Finalmente, porque perderam tantos professores milhares de horas a ensinar-me? Mas, ensinaram-me o quê? Para que servirão todos os quilos de tinta e papel que gastei a consumir pensamentos alheios?" E chegará à conclusão que metade do que aprendeu de nada lhe servirá por falta de aplicação na vida prática, e que a outra metade que havia de ter aprendido por necessidade em função ao seu futuro, não lha ensinaram. E fica espantado na inutilidade de tantos anos de trabalho seu, dos professores, dos burocratas que vigiaram os seus estudos, dos dinheiros gastos, das energias consumidas...

(extraído do livro "A Estupidez Humana" de Thomas M. Mith)

FELIZ Dia da MÃE!

.

.
As imagens que ilustram os textos publicados neste blogue são seleccionadas, aleatoriamente, através do motor de busca Google. Agradecemos aos respectivos autores o enriquecimento visual que os seus trabalhos proporcionam e, se não divulgamos a sua origem é porque, na maioria dos casos, a mesma é, para nós, desconhecida. Para salvaguarda dos direitos de autor, estamos à inteira disposição dos eventuais lesados, para revelar a identidade do criador das fotos e/ou desenhos publicados. Observador@
.