.
.

O Perfume da Amizade

Afinal, como é a verdadeira Amizade?
A Amizade dá-nos a liberdade de podermos ser nós próprios, na companhia de outra pessoa. Porque ser Amigo, mais do que desafiar o outro a mudar para melhor, é compreender as razões que o levam a ser como é. E é quando nos vemos nos olhos de um amigo que nos descobrimos a nós mesmos, numa espécie de nova criação!
Criar uma relação de Amizade é constituir uma 2ª família.

Quando gostamos daqueles que se assemelham a nós e que connosco partilham atitudes e valores, automaticamente adquirimos auto-confiança.
Tendo amigos, todo e qualquer indivíduo se sente mais integrado na comunidade em que está inserido. Eles podem ajudar-nos a superar dificuldades e necessidades próprias, a adquirir elevada auto-estima e a realização pessoal.

Para o estabelecimento de uma Amizade, assume primordial importância a primeira impressão que se tem da outra pessoa. No entanto, é arriscado fazer um julgamento definitivo no contacto inicial, pois uma apreciação precipitada pode impossibilitar uma Amizade futura.

Muitos factores podem dificultar a manutenção de uma Amizade (mudança de residência, trabalho,...) e sabendo que uma Amizade superficial rapidamente se desvanece, muitas são as pessoas que a retomam, quando se torna profunda, depois de longos anos sem contacto.
Fundamentalmente para que a Amizade perdure, mesmo impedidos com a agitação do quotidiano, é indispensável que os amigos dispensem tempo um para o outro.

No livro "Entre Amigos", Letty Cottin Prograbin identifica sete níveis de Amizade: os conhecidos; os vizinhos; membros de colectividades ou associações; colegas de actividades lúdicas; parentes mais próximos; colegas de trabalho; os verdadeiros amigos.
Segundo Henry Brooks Adams "um amigo para toda a vida é muito; dois é imenso; três é quase impossível".
Nós por cá dizemos: "Amigos... poucos, mas bons!".

"Celebra a tua Amizade com expressões de alegria! Encoraja o teu Amigo com gestos de gratidão..."
(John Perry)

0 observações:

Enviar um comentário

.
As imagens que ilustram os textos publicados neste blogue são seleccionadas, aleatoriamente, através do motor de busca Google. Agradecemos aos respectivos autores o enriquecimento visual que os seus trabalhos proporcionam e, se não divulgamos a sua origem é porque, na maioria dos casos, a mesma é, para nós, desconhecida. Para salvaguarda dos direitos de autor, estamos à inteira disposição dos eventuais lesados, para revelar a identidade do criador das fotos e/ou desenhos publicados. Observador@
.