.
.

É hora de dizer... BASTA!


Ao folhear o Diário de Notícias de 18.06.2009, deparámo-nos com a seguinte notícia:

«As agressões no seio familiar, de filhos contra os pais, aumentaram. Só no ano passado, a Associação de Apoio à Vítima (APAV) registou 501 novos casos, o dobro em relação a 2004.
Segundo o presidente João Lázaro, está já a ser preparado um relatório dedicado a esta matéria e as próprias equipas dos centros de apoio estão a receber formação específica e a apostar na prevenção. O responsável disse ontem ao DN que, em 2004, registaram-se 299 casos (242 contra as mães). As mulheres também foram as principais vítimas no ano seguinte, com registo de 252 casos (214 dos quais contra elas). Estas agressões continuaram a aumentar em 2006, com 275 ataques, e em 2007 quase duplicaram para 594. De acordo com a psicóloga da APAV, Helena Sampaio, a maior parte das vítimas são idosas agredidas pelos filhos - alguns dependentes do álcool e da droga.
Mas já há pais que são vítimas dos filhos adolescentes. "As camadas mais jovens têm manifestado comportamentos violentos, às vezes por carências afectivas próprias da nossa sociedade actual", diz a psicóloga».

Se todo e qualquer tipo de violência é um acto sempre condenável, o que dizer quando é exercido por filhos contra os pais?

Pegando nas últimas palavras de Helena Sampaio, o que mais impressiona em todo este panorama do nosso mundo "civilizado", é que parece que nos acostumámos a esta mesma realidade, a viver rodeados por essas CARÊNCIAS efectivas... Perante o que nos incomoda e desagrada, por vezes é mais fácil encontrarmos desculpas para deixar de fazer o que deve ser feito!

É importante que tomemos consciência deste tão grave fenómeno e que o mesmo seja denunciado. Não hesite em fazê-lo!

0 observações:

Enviar um comentário

.
As imagens que ilustram os textos publicados neste blogue são seleccionadas, aleatoriamente, através do motor de busca Google. Agradecemos aos respectivos autores o enriquecimento visual que os seus trabalhos proporcionam e, se não divulgamos a sua origem é porque, na maioria dos casos, a mesma é, para nós, desconhecida. Para salvaguarda dos direitos de autor, estamos à inteira disposição dos eventuais lesados, para revelar a identidade do criador das fotos e/ou desenhos publicados. Observador@
.